Best of the year 2012-2013 - page 1

D
epois de
mais de 30 anos dedicado a de-
senvolver o transdutor perfeito, Josef W. Man-
ger apresentou ao mercado o Manger Sound
Transducer que, segundo a sua filha Daniela, actual
responsável da Manger Products, permite dar “
tan-
to aos técnicos de som como a todos os audiófilos e
amantes de música o transdutor perfeito. No nosso
transdutor, as peculiaridades típicas que existem devi-
do à construção de drivers convencionais desaparecem
logo à cabeça, de forma a evitar os erros que todos os
outros têm. Fizemos imensos estudos, desde a fisio-
logia da audição do ser humano, passando por todo
o tipo de escutas que devem ser aperfeiçoadas, até
chegarmos a uma base que considerámos o ponto de
partida para a reprodução natural e fiel de qualquer
som. De seguida foi a escolha dos materiais a utilizar, a
técnica de fabrico e qualidade do mesmo – estamos a
falar de microns de tolerância de erro, a precisão acús-
tica dos testes e tudo o mais, levando à criação de um
transdutor capaz de uma reprodução perfeita
”.
Conforme descrito, este transdutor da Manger teve
como base de desenvolvimento o próprio ouvido hu-
mano e a forma como este interage com o meio am-
biente onde está, ou seja, reconhecendo que a nossa
audição é também condicionada pelo local onde nos
encontramos. Se retirarmos esse local da equação,
ficamos com as bases para uma medição perfeita da
audição, algo que se torna óbvio para quem faz tes-
tes de audiologia e/ou trabalha neste ramo.
Monitores profissionais Manger MSM c1
O nosso sentido de audição não tem a ver somen-
te com as frequências que ouvimos e com a pres-
são a que elas nos chegam aos ouvidos (e restante
corpo, é preciso não esquecer que todo o corpo é
ressonante), mas também e muito especialmente
tem a ver com as chamadas ondas transientes, que
nos permitem ter a percepção do “tamanho” e dis-
tância do som ouvido. Segundo os especialistas de
audiologia, em primeiro lugar ouvimos o ruído que
é emitido de forma temporal sequencial (ou seja a
evolução do som durante determinado período de
tempo), sentindo e ouvindo primeiro as transientes,
e só depois os tons, compostos pelas frequências,
repetições, etc. Cada tom tem assim, sempre, tran-
sientes no início, e são estas que comunicam ao
nosso sentido de audição a localização de determi-
nado som, ao mesmo tempo que também nos aju-
da a identificar qual o tipo de som que estamos a
ouvir. É desta forma, que a música, sendo ela uma
mistura extremamente complexa de transientes
e tons é ouvida e percebida pelo nosso sentido de
audição. Mas isso não quer dizer que estejamos a
ouvir tudo, quando ouvimos música ou outros sons
reproduzidos através de componentes electrónicos.
Para isso, é necessário um transdutor capaz de re-
produzir fielmente (e não o mais fiel possível) os
sons naturais (sejam eles gerados de forma natural
ou electromecânica/digital). E esse transdutor tem
de ser extremamente rápido e preciso.
Apesar de existir há mais de 30 anos e de deter patentes
mundiais sobre a sua tecnologia, capaz de produzir “
os
melhores monitores de referência do mundo
”, a marca Manger
permanece desconhecida da grande maioria dos utilizadores
profissionais. Durante vários anos, esta empresa alemã,
fundada por Josef W. Manger investiu na investigação e
desenvolvimento de transdutores e colunas que conseguissem
responder às necessidades de audição perfeita, semelhante
o mais possível à própria audição humana. Esta investigação
deu origem a diversos produtos de alta-fidelidade que,
infelizmente, se perderam na imensa selva que é esse mercado
do “som esotérico” onde génios e charlatães convivem
alegremente. Felizmente, a Manger decidiu criar um sistema
de monição de referência para o mercado profissional, os
monitores de estúdio MSM c1 que prometem finalmente trazer
a marca para um segmento onde o seu esforço poderá ser
reconhecido e aproveitado. Aproveitando o facto de a Filmebase
ter assumido a representação da Manger para Portugal,
a Produção Áudio pôde finalmente colocar estes monitores
à prova, num processo que nos levou algumas semanas
a concluir e para o qual foram imprescindíveis
a colaboração de Joaquim Pinto da Filmebase, assim como de Elvis Veiguinha, dos estúdios Digital Mix,
em cujo espaço nos foi possível finalmente escutar as MSM c1 como elas mereciam.
O código MSW
O transdutor MSW criado por Manger opera base-
ando-se no princípio “
bending wave
”, em que a onda
sonora passa a ser transportada do centro para a
periferia do transdutor com uma velocidade variável
proporcional, visto que o transdutor é mais rígido na
sua zona interior e mais suave à medida que evolui
para a periferia.
O princípio base do sistema “
bending wave
” é o de
que um transdutor deste tipo tem sempre uma resis-
tência controlada, sendo assim capaz de responder
perante determinada força com uma velocidade pro-
porcional, o que irá resultar numa radiação de pres-
são sonora exactamente igual à que existe na força
original (sendo que aqui por força queremos dizer de-
terminado som, mas a expressão é também utilizada
noutros meios tecnológicos).
O transdutor utiliza dois tipos de
drivers
ao mesmo
tempo, mas com funcionalidades diferentes. Utiliza
um
driver
de impedância (resistência) mecânica, que
vai fazer com que o diafragma actue como se fosse
o ouvido humano – em que apesar de receber toda
a informação de frequências ao mesmo tempo, tem
uma sensibilidade diferente em toda a sua estrutura
– sendo mais rígido no centro que nas pontas, o que
faz com que as frequências sejam “espalhadas” pelo
próprio diafragma num conjunto que soma não só as
frequências em si, mas também a velocidade tempo-
ral de cada frequência. O segundo
driver
possui uma
Os monitores de referência
implacáveis
ANÁLISE
Por António Gil e André Pires (análise) | Fotografia: Carlos Mateus de Lima
Os monitores de referência MSM c1, criados pela Manger.
A nova referência de escuta profissional? Seguramente
o mais implacável monitor de estúdio até hoje criado
| NOVEMBRO ‘11
28
|
1 2,3,4,5,6,7
Powered by FlippingBook